A Rainha Victoria/ Judi Dench no Cinema: Criatividade além dos protocolos seculares.

Arquivado em (Filmes) por Pablo González Blasco em 09-12-2018

Tags: , , , , ,

Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha.

(Victoria & Abdul) Diretor: Stephen Frears. Judi Dench, Ali Fazal, Tim Pigott-Smith 111min. Inglaterra. 2017.

Muito dos atores britânicos vêm de uma longa tradição do teatro, onde gastam seus melhores dons e, magnanimamente, consentem em fazer, vez por outra, algum filme mostrando sua tremenda categoria dramática.  Foram nutridos nos cenários onde é necessário acertar na primeira vez, sem possibilidade de cortar para tentar uma nova filmagem, mais satisfatória. São crias de Shakespeare, ou melhor, das suas personagens; e talvez por isso, conseguem construir e plasmar no celuloide figuras verosímeis, magnificamente perfilhadas, redondas.

Depois de ver Judi Dench incarnar a Rainha Victória em dois filmes separados por vinte anos, é difícil dizer onde acaba Judi e começa Victória, ou até imaginar uma Victória diferente da que nos apresenta a atriz inglesa. Ambos os filmes refletem momentos íntimos da rainha que, denominada avó da Europa -os seus descendentes espalharam-se por vários países e, com eles, o gene da hemofilia que Victória carregava- teve de sofrer em solidão: o isolamento que é, muitas vezes, o tributo necessário que a grandeza deve pagar.

Assisti Victória & Abdul há alguns meses, e o revi novamente na semana passada. Um luxo para os olhos, e para a mente. Judi/Victória enche a tela.  As personagens orbitam à sua volta, como rainha de Inglaterra, Imperatriz da Índia, e grande dama do cinema. Está no final da vida, quando chega Abdul, um indiano de religião muçulmana, recrutado para entregar um presente comemorativo à Rainha. E com Abdul vem um novo despertar de Victória, velha e enfastiada de uma corte repleta de aristocratas invejosos à procura de oportunidades, afogados em protocolos. O indiano se transforma num mentor para a rainha anciã, invocando a sabedoria oriental: “A vida é como um tapete. Os fios se entretecem para nos dar sustentação, para termos onde nos apoiar”. E, mais uma vez, descortina o panorama da missão da rainha que não encontra mais sentido à sua existência. Abdul aponta: “A sua missão é servir. Serviço, isso dá sentido a tudo. Estamos aqui para os outros, não para nós mesmos”.

 

O envolvimento da rainha é tamanho que há movimentos subversivos para interditá-la por incapacidade. Victória responde com classe, categoricamente: “Tenho 81 anos, 9 filhos, 42 netos. Estou no poder  há 62 anos, o que me torna a monarca de maior tempo num governo. Tenho quase um bilhão de súbditos, conheci 11 primeiros ministros,  despachei 2.347 leis, tenho  5 casas reais, e um staff de 3mil pessoas.  Estou com reumatismo, mal humorada, gorda, surda, e velha. Tudo isso sim, mas não estou nem um pouco louca”. Questão fechada.

Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Theodore Dalrymple: “Em defesa do preconceito. A necessidade de se ter ideias preconcebidas”

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 02-12-2018

Theodore Dalrymple: “Em defesa do preconceito. A necessidade de se ter ideias preconcebidas”. É Realizações. São Paulo. 2015. 141 págs.. 

 

Aventuro-me novamente na leitura pausada de um livro de Dalrymple, sabendo de ante mão o que vou encontrar: a clareza do óbvio, impacto que gera reflexão. Como bem aponta o prefácio (do Reinaldo de Azevedo, o que também não me estranha), é um desses livros “que reorganizam nossa experiência”. Quer dizer, mais do que novidade, trata-se de um olhar perspicaz sobre a realidade que nos rodeia, aquela que passa desapercebida, por desaviso, ou mesmo, por omissão, por não querer pensar.

Vivemos momentos onde qualquer preconceito -ideias importadas que não são de fabricação própria- tornam-se suspeitas. Tempos de ceticismo e de questionamento de toda autoridade. Embora, adverte o escritor inglês, “são poucos os que se mostrarão céticos a ponto e duvidar que o Sol surja amanhã, muito embora eles tenham certa dificuldade na hora de oferecer evidências sólidas que sustentem a teoria heliocêntrica. Os mesmos que acreditam que, ao apertar a tomada, a luz se acenderá, mesmo que lhes falte qualquer conhecimento sobre a teoria da eletricidade. Todavia, um feroz e insaciável espírito investigativo os domina por completo no exato momento em que percebem que os seus interesses estão em jogo”. Quer dizer, um preconceito seletivo porque é notório que “o amor pela verdade, embora exista, é geralmente mais fraco que o amor pelo poder”.

São muitos os que pensam que a qualidade mais importante de um ato ou de uma opinião não se associa a sua correção, ou ao esforço para se atingir a verdade, mas simplesmente em ter uma opinião própria. Essa seria a grande qualidade. Aquilo de “a minha opinião é tão valida quanto à sua”, como se tudo fosse questão de opinião (vale a pena consultar a provocadora obra de Hannah Arendt, Verdade e Mentira em Política). Daí o famoso “tudo é válido. Ou pior, é autêntico, quer dizer o que conta é a transparência, mesmo que esse despudor revele uma ignorância supina. Há que livrar-se da opinião herdada, como se fosse inimiga da humanidade”. Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Luís Henrique Pellanda: “Detetive à Deriva”

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 25-11-2018

Tags: , , , ,

Luís Henrique Pellanda: “Detetive à Deriva”. Arquipélago Editorial. Porto Alegre. 2016. 223 págs..

 

Sempre é um desafio ensaiar um resumo de um livro de crônicas. Falta o fio condutor, o argumento sobre o qual podemos ir tecendo nossas filigranas reflexivas. Talvez por isso resisto aos livros de crônicas, não lido bem com colcha de retalhos. Mas algumas vezes, como neste caso, tropeço com uma linha que costura todas minhas considerações…..É sutil, delicada, mas forte; como a que agarra o peixe sem esperanças de fugir. Não consegui me livrar de uma leitura serena -pausada, em cômodas prestações, tudo seja dito- destes contos do detetive curitibano.  Uma linha estética, o estilo, desenhado num português familiar, intimista, e ao mesmo tempo, elegante. Lembrou-me Drummond, autor que frequento vez por outra, quando sinto necessidade de renovar meu vocabulário e polir o estilo na escrita. Aprendi isso faz muitos anos com um amigo, escritor, poeta, magnifico conferencista, que em certa ocasião, durante uma viagem, me disse: “Observei que andas carregando um livro de Drummond. Podes me emprestar? Estou escrevendo e preciso de vocabulário”

A escrita  de Pellanda é o que te agarra, te leva da mão nos passeios urbanos, e no final deixar um ótimo sabor no paladar. Quando se lê,  parece fácil,  esse modo de escrever, de dizer; é até lógico, evidente. Pavarotti dizia que a partitura de La Boheme é sempre a mesma…depende de quem a canta…..A língua na sua exuberância e simplicidade, o léxico do vocabulário está ai para quem quiser -e puder- tocar e harmonizar.

O detetive à deriva transita por ruas e parques da capital paranaense. Ama Curitiba, e canta aquele território próximo à Praça Tiradentes “como um jardim de ingenuidades”. E tropeça com personagens -reais ou fictícios- que descreve com singela elegância, e eles se apresentam diante de nós com realismo impactante: “elementar, meu caro Watson”, é a função do detetive que revela a evidência. Lá aparece o sujeito “apenas de camisa, desobrigado da cerimônia”, e o velho que carrega a menina: “me garantiram que foi alguém um dia, e não somente este carregador de anjos sonolentos…..ainda precisava transportar os seus bens mais preciosos, o capital da sua alma, suas últimas esperanças. Percebi que, às vezes, o que nos define, mais do que nós mesmos, é a carga que nos coube”. Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

O insulto : O itinerário quotidiano para o Perdão

Arquivado em (Filmes) por Pablo González Blasco em 18-11-2018

(L’insulte). Diretor: Ziad Doueiri. Guion: Ziad Doueiri, Joelle Touma. Intérpretes: Kamel El Basha, Christine Choueiri, Adel Karam, Camille Salameh. 110 min.

Recomendou-me o filme um grande amigo médico, que iniciou os estudos de medicina na Europa, creio recordar que na Romênia, e acabou o curso no seu pais, Líbano, em momentos conturbados. Medicina aprendida na trincheira, no sentido estrito da expressão. No fogo cruzado de uma guerra fraticida -como todas as guerras civis- onde sempre aparecem os que “vem dar uma mão de um lado e do outro”, a acabam complicando as coisas porque não entendem as profundas raízes do ódio…..nem, muito menos,  o caminho do perdão. Porque existe o perdão, quando há grandeza de coração e visão ampla, na tentativa de compreender o outro.

Lembro por exemplo que, muitos anos depois, assisti com esse amigo a um jantar onde alguns colegas -originários ou descendentes de Libaneses- estavam lançando o projeto “Hakim”. Explicaram-me ser essa a denominação de médico -e também de sábio- nos países do oriente médio. Um dos que conduzia a reunião, aproximou-se do meu amigo, deu-lhe um abraço, sendo correspondido com igual afeto. “Bom rapaz -me disse, quando depois sentou-se do meu lado-. Nos levamos muito bem aqui no Brasil. Os militantes que mataram meu pai na guerra do Líbano eram da fação dele”. Passaram-se muitos anos, mas a imagem do sorriso do meu amigo -franco, aberto, sem um pingo de ódio ou rancor- permanece viva na minha memória”. E reviveu com luz nova ao tempo que desfilavam os fotogramas do filme que nos ocupa.

Um incidente, aparentemente sem grande importância, entre um libanês e um palestino que trabalha na construção civil. Essa é a largada do filme, um detalhe, um equívoco, um insulto, e toneladas de ódio acumulado. De um lado e do outro. Pessoas boas -os dois- com famílias para sustentar, a vida para ganhar com o trabalho, e uma mágoa engasgada que vai crescendo como bola de neve, como as neves das montanhas do Líbano.

O filme, em si, desenha uma situação que em visão rápida e superficial, pode parecer exagerada. Tamanha confusão, por um simples detalhe, por uma exclamação pouco elegante? O assunto se encerraria por ai….mas algo entra em ressonância com o nosso interior. A memória encarrega-se de lembrar-nos os detalhes -ridículos para um observador externo- que se agigantam até alturas incríveis, como os cedros do Líbano, alimentados pelo orgulho, um nutriente eficaz do ódio. De fato, as diferenças -de opinião, de perspectiva- são café pequeno, mas funcionam como uma cunha que permite o gotejamento da soberba, e daí sim, o desentendimento assume proporções gigantescas, e se arrasta por gerações. Seria , em teoria, fácil desmontá-lo, mas lá vem ninguém menos do que Nietzsche para explicar a fisiologia do fenômeno, quando anota: “Fiz isto, diz a minha memória. Não, eu nunca pude ter feito isto, diz o meu orgulho, e permanece inflexível. Finalmente, é a memória a que acaba cedendo.” Assustador, tremendo, mas real. E de uma fonte nada suspeita. Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Alexandre Dianine-Havard “Perfil del líder”

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 11-11-2018

Tags: , , , , , ,

Alexandre Dianine-Havard “Perfil del líder”. Palabra. Madrid (2010). 204 págs.

O subtítulo do livro dá uma pista de que tipo de liderança se pretende falar: “em busca de uma liderança virtuosa”. E com este prelúdio, e fácil adentrar-se na leitura deste livro simples porem denso, onde os recados vão gotejando pouco a pouco, solicitando do leitor pausa para meditação. Mais do que uma teoria sobre a liderança -aliás, sobram teorias acerca do tema, que virou bola da vez- este livro seria um roteiro singelo para um exame de consciência -uma reflexão sincera- daqueles que a vida colocou em posição de liderar outros, e levantar bandeiras.

 A virtude necessária de quem está no comando é o leitmotiv, o fio condutor, de todo o livro. Uma evocação de Peter Drucker, reconhecido guru no tema de gestão, dá a largada : “A liderança se exercita através do caráter”. E o autor tira as consequências: “Reforçamos nosso caráter mediante a prática de hábitos morais, denominados virtudes éticas ou virtudes humanas. Desse modo o caráter marca o nosso temperamento que deixa de dominar nossa personalidade (…) Magnanimidade e humidade são virtudes inseparáveis na liderança. A magnanimidade é a origem das ambições nobres, a humildade canaliza essas ambições para o serviço aos outros”.

Virtude, por tanto, condição sine qua non, de quem pretende liderar. Virtude que não é um esforço titânico pela perfeição, mas um hábito que se incorpora no modo de ser, que facilita a ação, e que conta com os afetos e emoções. “Para praticar a virtude é preciso exercer a vontade, mas também enobrecer o coração. Os valores tem de penetrar o mais profundo do coração”. Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

(Español) Leonardo Padura. “Herejes”.

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 28-10-2018

Desculpe, este post só está disponível em Espanhol Europeu.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Antoine de Saint- Exupéry: “Terre des Hommes”

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 14-10-2018

Tags: , , ,

Antoine de Saint- Exupéry: “Terre des Hommes”. Le livre de Poche. Paris (1965). 243 pgs. 

Tinha lido esta obra de Saint Exupéry bastantes anos atrás. Desta vez, trazê-la ao cenário da tertúlia literária, teve uma dupla intenção. A mais evidente, servir de pauta para as nossas reflexões conjuntas. A outra, pessoal, desenferrujar o meu francês, pois viajava para uma atividade acadêmica naquelas latitudes, e tinha caído nas minhas mãos um exemplar na língua original.  Os objetivos somente foram conseguidos parcialmente. Explico.

Logo de cara vi que as pensadoras sentadas na primeira fila, tinham o livro e um caderno de anotações. Suspeitei que havia material para compartilhar, os olhares o confirmavam, deixei o público falar. E desfrutei com os comentários, magníficos. “Como este homem consegue tirar poesia de toneladas de areia, no meio de um deserto? Uma poesia da areia interminável, como se tratando de algo corriqueiro? E nós, que não conseguimos tirar brilho do nosso quotidiano, desconhecemos o nosso quintal, e gastamos a vida invejando o quintal alheio. Nós, sedentos de novidades, incapazes de reparar que o muro do jardim pode encerrar mais mistérios que a muralha da China”.

As intervenções pipocavam pela sala, mãos levantadas, leituras das anotações: “A terra nos ensina mais do que todos os livros. O homem se descobre quando se mede frente aos obstáculos. O burocrata que constrói a paz cegando-se com o cimento da rotina, como as térmitas se cobrem para fugir da luz. A grandeza de uma tarefa é, antes de mais nada, poder unir os homens: é um verdadeiro luxo, as relações humanas. Os bens da terra escapam entre as mãos como a areia das dunas….A passagem do tempo não é habitualmente percebido pelos homens. Vivem num paz provisória” Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 2.0/5 (1 vote cast)

Hostiles: Categoria e Valores Clássicos num Faroeste Moderno

Arquivado em (Filmes) por Pablo González Blasco em 07-10-2018

Tags: ,

Hostiles. Direção: Scott Cooper. Christian Bale, Rosamund Pike, Wes Studi, Jesse Plemons, Rory Cochrane. Duración: 133 min. USA. 2017

Aqueles que desfrutamos a infância-adolescência nos anos 60, e fomos nutridos com faroestes clássicos, olhamos com desconfiança quando aparece um novo filme que alguns situam nessa categoria. Um faroeste moderno… será? Sempre penso que tentam me vender um Rolls Royce, com perfume britânico…. made in China.

Nada a ver com aqueles filmes ingênuos onde o mocinho ganhava depois de eliminar, sem efeitos especiais, manadas de índios, ou a turma de bandidos em quem era impossível encontrar um pingo de humanidade. Ou aqueles outros, mais densos,  maduros, psicológicos. Mistura-se com as lembranças da infância a metodologia do baixinho durão, Alan Ladd, em Os brutos também amam “Como fazem os bandidos de verdade?” – pergunta o garoto. Shane sorri: “Alguns usam dois revólveres, outros os colocam ao contrário, tem quem pendure no ombro… mas basta um quando se sabe atirar”. Esse é o tema: para fazer um faroeste é preciso saber atirar. De nada adianta preencher com perfumaria.

Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Michael J. Sandel: “Justiça. O que é fazer a coisa certa”. Ed. Civilização Brasileira

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 29-09-2018

Michael J. Sandel: “Justiça. O que é fazer a coisa certa”. Ed. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro 2012. 349 pgs.

 Comprei este livro há algum tempo, por sugestão de um amigo. Passou a esperar sua vez na prateleira do meu escritório. Mas numa viagem recente passando por Espanha, minha irmã -que como professora de filosofia está sempre ligada no que diz respeito à sua classe- avisou-me que tinham concedido o Prêmio Princesa de Astúrias em Ciências Sociais a Michael Sandel. O prêmio -antes príncipe, agora princesa porque a herdeira da coroa é uma mulher, Leonor de Borbón – é condecoração de peso. Como sempre, são estes estopins vitais o que te leva a desentocar o livro e mergulhar na leitura.

 Michael Sandel, professor de Filosofia e Ciência Política em Harvard, é um mestre popular entre os alunos. Decola de casos práticos, para avançar na micro ética, através de perguntas -método socrático- que são uma provocação para refletir sobre temas que muitas vezes passam batidos. Sandel pergunta e faz pensar; não dá respostas, apenas mostra as consequências das variáveis da escolha, e suas consequências. O livro apresenta, de modo erudito mas acessível, em leitura amena e fácil de acompanhar, os dilemas éticos que enfrentamos e as possíveis respostas que o ser humano pensante pode dar. Insisto no qualificativo de pensante, porque o que Sandel proporciona não é uma receita de bolo, um manual de escoteiro para comportar-se bem: desnuda as consequências das opções éticas para que ninguém diga que não sabia onde iria chegar, uma vez decididas as posturas assumidas.

 A distribuição de bens e justiça, atende basicamente a três maneiras de abordar a questão: a que considera o máximo bem estar, aquela que prima pela liberdade e a que se rege pela virtude. Esse será o leitmotiv de todo o livro. Maximizar a utilidade ou o bem-estar, a máxima felicidade para o maior número de pessoas. Ou priorizar a liberdade de escolha, nas suas versões variadas, do liberalismo radical, até uma liberdade pautada por uma suposta equanimidade Ou, finalmente, o cultivo da virtude e da preocupação com o bem comum . Anoto textualmente; “Essa mudança no nosso modo de pensar indo e vindo do mundo da ação para o mundo da reflexão, é no que consiste a reflexão moral. Este livro não é uma história das ideias, e sim uma jornada de reflexão moral e política”. Leia o restante deste artigo »

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)

(Español) Lorenzo Silva: “Lejos del Corazón”

Arquivado em (Livros) por Pablo González Blasco em 22-09-2018

Tags: , , ,

Desculpe, este post só está disponível em Espanhol Europeu.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)